Mão Misteriosa

        Esse é mais um vacilo do arte-finalista ou de quem se propôs a “limar” uma terceira pessoa da foto. Os motivos,  para se excluir alguém de uma foto, são os mais diversos. Quem domina as ferramentas do Photoshop, os layers, a ferramenta clone pode, com certeza, e algum trabalho, fazer essa mão misteriosa sumir, sem deixar vestígios, refazendo a parte da camisa que cobre o ombro, com tamanha precisão que, dificilmente, alguém perceberia, a não ser que passasse a foto por um software de detecção de manipulação de fotos. Esses softwares fazem um mapa das áreas da foto onde os pixels foram manipulados, “alisados” ou receberam filtros em áreas específicas, com a ferramenta laço mágico, pode-se selecionar uma área e aplicar um filtro, desde um nativo do Photoshop até os filtros ou plug-in de terceiros.  Ainda que a mão misteriosa fosse habilmente “limada” da foto, resta uma área fácil de esquecer, aparece um pequeno pedaço da roupa dessa pessoa limada, no espaço negativo formado pelas cabeças e ombros do casal (ou amigos). O fundo deveria ter sido clonado e preenchido esse mínimo espaço, mas com a mão estranha aparecendo, esse outro erro passa despercebido. Essa foi uma explicação técnica, mas alguém logo tratou de dar outra explicação subjetiva. Ele é contorcionista ou praticante avançado de Yoga, a explicação está bem gráfica, desenhada. Ele não deve ter problema algum para coçar as costas ou ensaboá-la. Um terceira explicação, que eu usei noutra foto recorrente com esse erro, é que deve ser o Mãozinha da Família Addams. Como um pequeno pedaço do braço aparece, essa explicação não será nada convincente. Com a ferramenta corte demarcado, poderia ser feito um recorte focado apenas nos rostos, ao estilo ¾ ,antes de a mão misteriosa começar a aparecer. Nem toda mão estendida é mão amiga, algumas mãos só atrapalham mesmo. De quem é a mão que segura o ombro?. Impossível dizer, ser limado de uma foto não deve ser uma sensação agradável.  Não se pode descartar que seja alguém praticando com as ferramentas do Photoshop e resolveu descobrir se conseguiria excluir uma pessoa de uma foto. Se for esse o caso, ainda precisa se aprimorar na parte de clonar a continuação das dobras da camisa, vincos, caimento e imaginar como seria a parte que a mão está cobrindo. Já vi fantásticos trabalhos de restauração de foto, onde o arte-finalista tinha que imaginar e completar partes que o tempo e as imperfeições tinham apagado, rasgado, manchado, riscado. Como o lado direito do rosto nunca é exatamente igual ao esquerdo ou vice-versa, isso se torna um trabalho de investigação, onde informações de marcas pessoas, pequenas cicatrizes, pintas, tamanho um pouco diferente dos olhos, tornam-se importantes. Se o um dos lados for, simplesmente, “espelhado”, o resultado não fica satisfatório, podendo ficar artificial. Um lado do rosto demonstra as expressões verdadeiras, se isso não for captado corretamente, a restauração ou mesmo um retrato falado, enfim, um desenho pode se tornar apático. Mesmo assim, se não dispuser dessa informação, que pode ser dada por amigos e parentes, uma metade espelhada é melhor que uma faltando ou totalmente rasurada. Essas manipulações e restaurações em fotos, começaram  a surgir junto com a fotografia, mesmo as fotos em preto e branco eram colorizadas artesanalmente, à mão, manipuladas, até usadas com objetivos de propaganda de guerra.