Cornice Em Duas, Três e Quatro Rodas, Motosca, Mofusca, Fuscato

    Tecnicamente seria um triciclo, mas, vemos mais da metade de um fusca, tem o assoalho e o teto, e mais da metade da moto, parece mais uma experiência de teletransporte, mas, que deu algo errado, e tanto a moto como o fusca fundiram-se num veículo híbrido, se ele tivesse consciência, teria uma crise de identidade terrível, sem saber se era uma moto ou um fusca. O condutor deste veículo está guiando uma moto ou um carro?.  O IPVA cobrado é de moto ou carro?. Será que tem que ter as duas habilitações, tanto a de carro, quanto a de moto, para guiar este veículo?. O estranho, é que não é a primeira vez que o fusca é usado num experimento bizarro, tem um outro post que a parte da frente foi usada como churrasqueira, até pensei que poderia ser a metade que esta faltando neste, porém, é de outra cor, mas, como dá para perceber, ambos foram pintados com outra cor, então fica difícil saber a cor original, não sei de qual país é a foto, mas, com certeza eu posso afirmar 2 coisas: este Motofusca não é do Roberto Carlos, pois, ele odeia a cor marrom; o dono do Motofusca é muito fã de fuscas e motos. Depois de algumas pesquisas, pereceu-me viável que o fusca possa pertencer, ou, se não pertence, combinaria perfeitamente com o cantor Almir Rogério, autor de pérolas do cancioneiro brega: Fuscão Preto, e Motoqueiro, nas duas músicas, a cornice acontece, ou, tem relação com veículos, quando ele mesmo vê o fuscão, e os dois juntos se desmanchando de amor, na do Motoqueiro, ele espera a noiva chegar, e alguém vem avisá-lo, que um moto saiu da cidade, que infelicidade ela foi sentada atrás. A traição veio à garupa. Eu tive que ouvir as duas músicas, no Youtube (você devia ser solidário, e ouvi-las também, faria mais sentido o post, por que só eu tenho que sofrer?). Mas, se a mulher do Fusca Preto traiu o cara, dentro do Fusca, e na segunda música, a do Moqueiro, ele diz que ela trocou o Fuscão dele, pelo amor de um motoqueiro. Será que era a mesma mulher do Fusca?. Ela trocou o Fusca pela moto, e o cara pelo Motoqueiro. Eu sei que os motociclistas odeiam a palavra motoqueiro, mas, é o título da música, e não fui eu que compus a letra. Pensando aqui, faltou uma música sobre cornice envolvendo um caminhão, algo como ela abandonando o noivo, e indo na boleia do caminhão, falta só uma com caminhão, então a trilogia fecha o ciclo.