Não Faço a Menor Ideia...

        Esse parece ser algum tipo de dinâmica, em algum tipo de palestra. Não creio que seja algum tipo de sociedade secreta. Poderia ser algum tipo de reunião motivacional de alguma empresa, enfim, são suposições. O que está claro é que existe um interlocutor, o gesto de fazer o formato de um coração com ambas as mãos está sendo repetido pela plateia, porém, há uma pessoa imitando o gesto, mas,  sem a mínima noção do que esteja fazendo, nem ao menos formou um coração, parece mais um triângulo mal-acabado. Ele parece não ter a menor noção do que está fazendo ali, nem se quer está olhando na direção do interlocutor.  Não está prestando a mínima atenção no que está sendo dito ou mostrado, seja lá qual for essa dinâmica, ela não surtiu quase nenhum efeito sobre ele, embora, esteja ali fisicamente, os pensamentos devem estar em algum outro lugar, bem distante.  Pode-se notar que há pessoas prestando atenção, mas não repetindo o gesto do coração. Parece mesmo que as pessoas mais efusivas e contagiadas,  pela oratória, estão mais perto do orador. A loira parece estar muito entusiasmada, não tenho receio de reproduzir o gesto.  Não existe ser humano que já não esteve em algum lugar, acontecimento, festa, evento, etc, que não pensou  ou  se sentiu, totalmente, um estranho no ninho. Realmente, esse cara que aparece na ampliação está noutro mundo, noutra dimensão, perdido nos pensamentos dele. O que deve ser curioso foi o que o motivou a estar ali, pelo menos em corpo físico. O impulso que o motivou a sair de casa e comparecer. Talvez, ele precisasse estar ali, profissionalmente, por vezes, precisamos comparecer a lugares que não estão em primeiro lugar na nossa lista de lugares que gostamos muito de estar.  Pode-se imaginar alguém perguntando: “Foi legal a palestra?”; “O que foi ensinado lá?”. Outra hipótese, é a pessoa estar com tantos problemas pessoais, problema é o que não falta na vida, que ela ligou o piloto automático, simplesmente.  Nesses momentos, o aqui e agora deixam de existir, os pensamentos vão em diversas direções, algumas vezes, entre o passado e suposições ou expectativas sobre o futuro, tal com pássaros pulando de galho em galho, onde cada galho é uma tentativa de solucionar o problema.