Eu Li e Concordo Com os Termos e Condições.

        Dificilmente, nós lemos os termos e condições até a última linha. No máximo, alguns parágrafos, depois deslizamos, rapidamente, o botão de rolagem até chegar ao fim e ticamos, marcamos o quadradinho ou círculo, concordando. Caso não concordemos ou esqueçamos, somos impedidos de passar para a próxima etapa da instalação do software, tanto o pago quanto o gratuito. Instalando programas, depois de vários anos, eu nunca li até o fim os termos e condições de uso, cheguei a ler uns três parágrafos e desisti. Com certeza, se fôssemos assinar um contrato de compra e venda, locação ou qualquer outro tipo de contrato envolvendo bens ou uma soma de dinheiro maior, leríamos ou pediríamos auxílio para um advogado de nossa confiança. Por que não lemos os termos e condições de uso na íntegra, antes de concordarmos, ticando?. Um dos motivos é que estamos ansiosos para usar logo o software, ainda mais se for uma atualização ou um software que nunca usamos. Teremos que ler o manual do usuário, se for algum software para uso profissional, para entender, depois mais tempo para dominar as ferramentas.  Alguns manuais têm mais de 400 páginas, em formato PDF. Depois, ver tutoriais no Youtube, sobre o programa, procurar dicas de usuários mais experientes ou algum macete que, com certeza, não conhecemos. Outro fato pelo qual não lemos os termos e condições de uso é que acreditamos na empresa que criou o software que estamos prestes a instalar. Ela tem uma reputação de décadas no mercado, milhões de usuários pelo mundo usam o programa, sabemos que a empresa que criou o programa é idônea, honesta. Ela nunca lesou ou prejudicou ninguém que adquiriu o software licenciado. Esses são pressupostos, os quais nos levam a aceitar o contrato, sem lê-lo até o ponto final da última linha, ou seja, na íntegra. O certo seria lê-lo, pois lá está tudo que pode ou não ser feito ao usar o software ou programa. Qualquer uso indevido que porventura vier a ser feito, pode acarretar em processos aos usuários. O simples fato de tê-lo instalado no computador e funcional, já prova que os termos e condições foram aceitos. Mesmo se fosse lido até o fim, para alguns usuários, existe a questão da compreensão, se for redigido num juridiquês rebuscado, lê-lo de cabo a rabo, não adiantará de nada.  Há ainda outra questão, quando instalamos um software podemos estar concordando em fornecer dados pessoais a eles. Os quais podem ser vendidos para agências de publicidade, esses dados de hábitos e tendências de usuários são importantíssimos e caros. Os softwares, pelo menos a maioria deles, não fazem isso de má fé, é tudo avisado, está tudo lá preto no branco, nos termos e condições de uso, os quais nós não os lemos. Mesmo as  barras de ferramentas indesejadas no navegador não foram postas lá sem nosso consentimento, perguntam-nos, durante o processo de instalação , se desejamos instalá-las, sem paciência para ler, acabamos aceitando. Por isso, na hora de instalar  quase sempre é recomendável fazer a instalação *personalizada, onde você pode ver com detalhes o que está sendo instalado e fazer os setups apenas do que você quer que seja instalado. Em alguns, ainda há a descrição do que está sendo instalado, antes de finalizar o processo, ou seja, ainda é possível voltar e excluir algum item. Certa vez me dei mal com um pacote no qual vinham: emoticons, winks, animations, nudges, smileys  para MSN. Para visualizar os efeitos que minha amiga mandava, realmente, eram bem legais, tinha um que a pequena tela do MSN quebrava em cacos. Minha amiga disse que era seguro e tudo, deu o endereço do site, bom, mesmo assim, escaneei em busca de algum código malicioso, não encontrei nada. Instalei, mas, devo ter cometido algum vacilo, permiti a instalação daquela barra  de tarefas  irritante  e cheia de widgets no navegador,  com busca, temperatura, etc.  Apesar de não ser um vírus, ela altera configurações do computador. Se você pensa que desinstalando o programa “hospedeiro”, no caso o pacote de winks, se livrará dela é outro engano. Depois de aplicar várias soluções, deletar manualmente das entranhas do disco rígido, usar desinstaladores. Você reinicializa o PC, abre o navegador e ela continua lá. Só depois de usar um programa, recomendado pelo meu irmão, o ComboFix. Que na época, baixei no site baixaki é que me vi livre dessa maldita barra de tarefas. No meu caso funcionou, mas cada caso e um caso, deletar arquivos sem saber exatamente pode fazer o Windows, ou outro sistema operacional, não funcionar mais. O que eu aprendi sobre essa barra de tarefas é que ela é igual ao conde Drácula, ela só entra se for convidada, uma vez permitida, você vai penar com alho, crucifixo e programas de desinstalação para expurgá-la do seu navegador. Quanto aos Memes do post, a noiva é a ingênua Derpina, e o noivo, que na verdade é uma foto real, que foi vetorizada, é o finlandês, cujo nickname ou apelido na internet é: KimmoKM, também conhecido como: Butthurt Dweller; Gordo Granudo, etc. Ele parece sempre estar sempre mal-humorado, antissocial  e absorvido em seu mundo geek-nerd. Elevado ao status de Meme, ele circula por toda a internet. Recentemente, em entrevista a um site espanhol, KimmoKM afirmou que não há muito diferença entre ele e seu Meme, isto é, ele tem essa cara de estar com o saco na lua, realmente, de verdade...


*Em alguns softwares, a instalação padrão pode ser feita sem medo, pois a personalizada teria tantos setups ou ajustes que um iniciante ficaria perdido, aceitando colocar recursos que ele não irá utilizar ou dispensáveis. Se o programa não é muito conhecido de quem está instalando, o ideal é ler alguns tutoriais, de mais de uma fonte. Esses tutoriais esclarecem bem qual das duas é a mais indicada. Ficar atento quando algum item já está marcado para permitir instalação de barras de tarefas e outras ou tornar o site do software, a página inicial. Alguns até  perguntam se desejamos substituir o nosso navegador pelo navegador sugerido por eles.