Star Wars: Cantando Na Chuva ou Cantando na Chuva: Versão Star Wars

        Alguns  #gêneros não só se misturam, como o resultado da mistura fica ótima. Em cinema, há gêneros, subgêneros, mistura de gêneros, #filmes que podem ser classificados em mais de um gênero, há aqueles que ficamos em dúvida em como classificá-los. Esse encontro inusitado do filme de #ficção científica, aventura, fantasia: #Star Wars (Guerra nas Estrelas) com o filme de comédia musical, comédia: #Cantando na Chuva. Realmente, ficou muito surreal o Stormtrooper, soldado imperial, fazendo o papel do #Gene Kelly, ao invés do guarda-chuva, o Stormtrooper segura sua arma, a BlasTech E-11. Pode-se dizer que, nesse caso específico da foto, os gêneros de cinema não se misturaram, nem o fato da armadura ser, originalmente, em preto e branco conseguiu integrá-la à foto, lembrando que o filme: Cantando Na Chuva, de 1952, é colorido foto, apesar de ser ambientado em 1927, ano de estreia do primeiro filme falado: O Cantor de Jazz.  A foto "Photoshopada" do post, que é dos dois filmes, está temporalmente, planetariamente, muito destoante, nada que uma viagem no espaço-tempo não resolva, é verdade. Mesmo que você jamais tenha visto Cantando na Chuva, eu nunca assisti, a famosa cena que faz jus ao título do filme já foi mostrada em diversas ocasiões, já fazendo parte do inconsciente coletivo.  Se você já andou num dia chuvoso, por uma rua, sabe que é impossível ficar feliz daquele jeito. Se o Gene Kelly morasse em alguns lugares de São Paulo, onde acontecem enchentes, ele não cantaria nem dançaria na chuva, mas nadaria na água da chuva. Um filme que eu assisti e gostei muito foi: O Sétimo Selo, filme sueco, de 1959, dirigido por Ingmar Bergman. Se uma montagem ou manipulação de foto fosse feita com o personagem que simboliza a Morte jogando xadrez com o Stormtrooper, ficaria muito interessante, como o filme foi rodado em preto e branco e a armadura do Stormtrooper é preta e branca, mesmo destoante haveria uma integração. Voltando a foto do post, mesmo que o Stormtrooper cantasse e dançasse numa chuva de meteoros, ainda assim, seria estranho, não quer dizer, porém, que não seria engraçado. O diretor, roteirista e ator, #Mel Brooks,  foi além, no filme: S.O.S. - Tem um Louco Solto no Espaço, que pode ser classificado em: comédia, ficção científica e aventura. Faz tempo que assisti a esse filme, lembro que o filme faz referência direita a Star Wars, não se pode dizer que é uma sátira somente a Star Wars, pois outros filmes são citados, a cena do tambor, citação clara a fantástica trilha sonora do filme: 2001, Uma Odisseia no Espaço; a cena do teletransporte: citação ao seriado Star Trek, Jornada nas Estrelas, que era seriado, transformando-se, posteriormente, em franquia. Há a cena que Mel Brooks conseguiu misturar ficção científica e comédia musical, numa citação ao filme: Alien, o 8° Passageiro, o Xenoformo que sai da barriga de um homem, na lanchonete,  está com uma bengala, põe um chapéu e começa  cantar: Hello, my baby; Hello, my honey. Cena impagável essa. Não que eu tenha nada contra musicais ou comédias musicais, mas não é meu gênero de filme preferido. Sei da complexidade técnica e coreográfica da cena de Cantando na Chuva, da importância de Gene Kelly e #Fred Astaire, outro ator e dançarino, para o cinema, mas musicais ou comédias musicais não são a minha praia, ou melhor, não é minha cadeira no cinema. Cinema, música e cores é questão de gosto, cada um tem o seu, nem melhor, nem pior. Por que alguém gosta de filmes de terror, mas não de musicais, não necessita de explicação ou lógica. Felizmente, os gêneros e subgêneros do cinema são variados, quantos mais gêneros e subgêneros seu ecletismo puder englobar, mais opções de entretenimento.