Real Versus Virtual

        Antes de tratar, especificamente, do real versus virtual, convém lembrar que tênis de mesa e ping-pong são diferentes, não é a mesma coisa como muitos pensam, a começar pelas dimensões da mesa, material da raquete, bolinha, regras. Fazendo uma comparação tosca, eu já joguei tênis de mesa e o ping-pong,  poderíamos comparar  o tênis de mesa com o futebol de salão ou futsal, com suas regras específicas dimensões da quadra, bola, tênis antiderrapante. Ao passo que o ping-pong pode ser comparado ao futebol de rua, com qualquer tipo de bola, qualquer tipo de tênis, os gols não tendo um tamanho oficial e sendo demarcados por tijolos, garrafas ou até chinelos, ou seja, o ping-pong é bem informal. Pode-se pegar uma porta colocar em cima de dois cavaletes e jogar ping-pong, sem problemas.  Agora falando, especificamente, sobre a foto do post, ela  é meio desconcertante, mesmo sendo irônica. Duas amigas jogando tênis de mesa virtual, enquanto perto delas, uma mesa mesa real repousa “atônita”.  A “virtualização” da realidade, a migração do real para o virtual em todos os níveis, inclusive, nos relacionamentos segue forte e certa. O jogo de  tênis de mesa virtual, é impressionante,  mesmo nos joguinhos 3d Adobe Shockwave, tênis de mesa, você pode dar os mesmos efeitos que o jogo real, até fazer a bolinha bater no canto da mesa,  o que a torna quase indefensável para a máquina ou outro jogador, mas, quem nunca jogou de verdade, não poderá fazer essa comparação. Claro, gostamos da tecnologia, tornamo-nos dependente dela, mas é se chegar o dia  em que apenas a “experiência” virtual será o suficiente?. Creio que caminhamos, inconscientemente, para uma imersão total no mundo virtual. Quando só o virtual satisfizer, impelindo a um  estado de inércia e de não procura da experiência “real”, porque o virtual já satisfaz plenamente (isso já está acontecendo) o mundo e as relações humanas nunca mais serão os mesmos, na verdade, já não são mais. Eu acho essa foto do post muito emblemática, mesmo que ela seja intencional, é para se pensar. Outro exemplo que já se tornou um ícone é como as festas são comemoradas atualmente, várias pessoas juntas, sentadas, imersas em seus celulares, smartphones , tablets. Pessoas que estão juntas, mas, por algum tempo, não estão interagindo entre elas, mas sim com quem estão falando nos dispositivos móveis de última geral.