A Refrescante Gata das Neves, Digo, Gata de Neve



        Não se fala de outro assunto faz semanas, recorde de temperatura em São Paulo, desde que a medição começou a ser feita,  há 71 anos.  A chuva não vem, para piorar, existe um “secador de cabelo invisível” impedindo a formação de nuvens. Se você conhece pessoas que reclamam do frio, reclamam do calor, nesse caso, a temperatura ideal seria uma “penumbra”  entre 20 e 22 graus ou mudar-se para uma estufa de plantas. Psicologicamente, cada vez que alguém reclama do calor, a sensação térmica aumenta 5 graus. Essa onda de calor causou um aquecimento na venda de ventiladores, circuladores de ar, aparelhos de ar condicionado, enfim, qualquer alívio que ventile a dor do calor para longe. Para a foto desse post, pensei em colocar uma foto clichê, sol escaldante ou até muitas das fotos tragicômicas de ventiladores ventilando fogo que tem circulado pelas redes sociais. Eu não gosto de reclamar do calor, farei isso de forma indireta aqui, mas queria deixar algo registrado para a posteridade, afinal, é um record de 71 anos. Como eu não sei fazer a dança da chuva, e nenhuma outra,  pensei que essa foto da gata do gelo possa trazer um pouco de alegria, um alento,  o mínimo que fosse. São Pedro deve estar ouvindo muita reclamação, se continuar assim, talvez se tenha que apelar para Santo Expedito, o Santo das causas impossíveis.  Olhar a neve e o gelo no resumo diário dos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, na Rússia, tem trazido um pouco de paz interior para alguns, e muita inveja para outros. Assistir a filmes com temática  no deserto pode causar um efeito psicológico ruim. Eu presenciei um acontecimento estranho, aquela borrachinha, geralmente amarela, de escritório que prendia um manual com capa de papel couché derreteu, a borrachinha derreteu, literalmente, virou uma massa amarela derretida. Caixas de leite longa vida tiveram a “vida”, ou melhor, a vida do leite abreviada, azedou a relação da embalagem como o leite. Em São Paulo, numa semana, foram economizados 300 milhões de litros de água, certamente, essa economia não foi só conscientização, embora o medo de ficar sem água faça as pessoas economizarem, houve um motivacional forte, a Sabesp concederá um desconte de 30% para os imóveis abastecidos que economizarem água, os quais são abastecido pelo reservatório da Cantareira. Alguns bairros de São Paulo ficaram sem água alguns dias, o que acabou sendo uma economia "compulsória". Se não chover em breve,  em São Paulo, só restam duas opções: racionamento e o uso da “reserva morta”. Na pior das hipóteses as duas opções, conjuntamente. Esse nome é bem estranho, "reserva morta", é devido a não ser usada por ter muitos sedimentos e estar no fundo do reservatório da Cantareira. Caso a falta de chuva continue, o governo de São Paulo, terá que dar um jeito de "ressuscitar" essa “reserva morta”, pois a população de São Paulo não poderá ficar sem água. Caso a “reserva morta” seja "ressuscitada" ou precise ser, espero que isso não seja usado nem campanha eleitoral. Algum marketeiro (marqueteiro)  poderia dizer: “Ele não é Moisés, não abriu o Mar Vermelho, mas “ressuscitou” a "reserva morta". Você deve estar se questionando como sei que gata é fêmea, isso foi meio redundante, se é gata, só pode ser fêmea, como sei o gênero do felino, mas foi puro palpite mesmo.