Tentando Segurar o Pum

        Esse é um dos mais recentes MEMEs a bombarem na internet, está amplamente replicado, uma imagem viral. Toda sala de aula tem aquela menina que chama a atenção pela beleza, em alguns casos, chama a atenção da escola inteira. Os caras sonham em namorá-la, ficar, mas as chances são remotíssimas. Um dia acontece, por uma coincidência, de aquela paixão secreta, ou por quem alguém tem uma queda, sentar-se próximo, é verdade que ela pode estar ignorando-o por completo ou ele, numa atitude sem noção, foi  se sentar perto dela. Quando alguém consegue sentar próximo da  soberba princesa da escola, a última coisa que o cara quer é se sentir o bobo da corte. Quando parece que o universo está conspirando a favor do cara, na verdade, o universo armou um mico catastrófico. Esse é um dos piores sons de chamado na natureza,  se o fedor de gás de enxofre não denunciar a pessoa, o barulho, se acontecer, o fará. Súdito sim, mas não o bobo da corte flatulento, nem pensar.  Numa força homérica, sobre-humana, ele tenta manter esse fantasma fétido preso nas profundezas do intestino. A situação é tensa e sinistra. Não há como segurar o vento, isto é, o pum, quando alguém o segura, ele volta ao intestino, ficando lá até escapar. O pum é o resultado do ar engolido com a comida ou durante a fala, e da ação das bactérias que habitam o intestino grosso, decompondo os alimentos. Segurar o pum faz mal? Segundo os médicos, se segurado ou impedido de sair com frequência,  pode ocasionar distensões abdominais (problemas no abdômen e dor de barriga). Infelizmente, algumas pessoas, na verdade, elas poderiam ser chamadas de terroristas que usam armas químicas, soltam o pum dentro de transportes públicos lotados, em dias frios, com algumas janelas fechadas ou durante uma chuva, isso é o próprio inferno na terra, com enxofre e tudo. Parece mesmo algum tipo de sadismo de quem pratica um ato assim. Se o pum é democrático entre homens e mulheres, por que os homens têm mais fama de serem punseiros?. Por algum motivo bizarro ou pela sociedade ainda ser machista, talvez, a cara de pau  mesmo, os homens têm mais liberdade de soltá-los, já as mulheres o fazem de modo educado e em lugares onde estão sozinhas, obviamente, não se pode generalizar, nunca. O mito segundo o qual as mulheres não soltam pum é falso, que o odor seria de pétalas de rosa ou flores do campo é falso também. Independente do gênero, masculino ou feminino o fedor é: enxofre, ácido graxo, sulfetos.  O pum é a “entidade” mais escapista existente, não importa o quanto a pessoa impeça a fuga do pum, ele vai escapar, mesmo quando a pessoa estiver dormindo e, o mais sinistro, mesmo depois de morta pode acontecer. Para encerrar esse post escatológico e inútil, durante um dia, um ser humano produz de 15 a 20 puns, em litros é 1 litro, 1 litro e meio. O pum ainda é um assunto tabu, quando solto num ambiente onde há pessoas estranhas, o autor jamais quer ser descoberto. A sabedoria popular já diz em sua filosofia flatulenta: ” Pum é igual filho, a pessoa  só aguenta o dela”.