Curtindo as Férias. Quase Adoidado

        Resumo das férias, depois do Meme: “Preciso de 6 meses de férias, duas vezes ao ano”, esse do post traduz bem o conteúdo programático ou como os dias de férias foram aproveitados, os planos para o dia, sem generalizar, claro. A variação dos personagens traz uma dinâmica, como se um período do dia ou de muitos dias de cada um, durante as férias, fosse pinçado. O detalhe de se comer besteira, na hora do almoço, é frisado. Um deles é visto fazendo a sesta, aquele momento, depois do almoço, que a pessoa descansa, tira um cochilo. A pizza e o refrigerante podem ser vistos na mesinha de centro. Em seguida, o período da tarde vai se esvaindo, uma olhadela pela persiana, um dia lindo e ensolarado, a hesitação em dar uma volta ao ar livre, depois, a mudança de ideia. A diferença entre curtir as férias assim e os fins de semana, praticamente, não existe. Atire a primeira tecla (não pedra) quem já não fez algo assim, durante um fim de semana. Quem já não passou um fim de semana em frente ao computador, enquanto o sol lá fora brilhava e morria, sim, ele é uma estrela, consumindo o próprio “combustível”, trocamos a luz do sol pela do monitor, às vezes.  Eu me lembrei do filme: Curtindo a Vida Adoidado, um dos ícones da juventude dos anos 80. Apesar dos três amigos serem politicamente incorretos, isso não invalida a mensagem do filme. Ferris Bueller, interpretado por Matthew Broderick, finge estar doente para cabular aula, junto com a namorada, Mia Sara, e o melhor amigo, Cameron, que é hipocondríaco, filho de pais ricos, é muito infeliz, triste e melancólico. A mensagem mais clara do filme é como um dia pode ser aproveitado, a cena do museu, onde Cameron fica de boca aberta,  ao descobrir que o quadro: Tarde de Domingo na Ilha de Grande Jatte, do pintor  Seurat, é,  na verdade, composto de centenas de milhões de pinceladas, o pontilhismo ou pós-impressionismo. As façanhas de como se aproveitar um dia são tão envolventes que nos esquecemos de que o melhor amigo de Ferris, está segurando vela o filme todo. O filme continua atual, pois ter um dia fantástico para recordar, sempre vai cativar o imaginário de todos. O filme poderia ter virado uma franquia de sucesso, isso foi cogitado na época, a entrada na faculdade ou o primeiro emprego de Ferris Bueller. É provável que o medo da maldição das continuações ou o fantasma do fracasso das sequências tenha impedido essa tentativa.  É um período de tempo muito específico e especial que todos vivemos, se lembrarmos do genial seriado, que gira em torno dos anos 80, Todo Mundo Odeia o Chris, que foi encerrado, devido a ter abrangido a parte relevante, importante, que ao mesmo tempo estava atrelada a idade cronológica do ator, faz todo sentido não ter tido uma continuação de: Curtindo a Vida Adoidado.  As especulações sobre que tipo de adulto Ferris Bueller teria se tornado, assim como um filme sobre a vida adulta dele sempre continuarão.  Será que ele teria sido um Charlie Harper, do seriado Dois Homens e Meio, interpretar um papel é bom, mas interpretar você mesmo é melhor ainda, mais fácil, mais convincente. Charlie Sheen (nome de batismo: Carlos Irwin Estevez) faz uma ponta no final do filme Curtindo a Vida Adoidado. Ele é o drogado na delegacia, o ator ficou 48 horas sem dormir, para interpretar a fisionomia de um drogado. Emilio Estevez, que é irmão de Charlie Sheen, recusou o papel de Cameron. Uma família de excelentes e competentes  (um pouco problemático :Charlie Sheen) atores. O pai  deles, Martin Sheen, estrelou o filme:  Apocalypse Now. Charlie Sheen, o filho, interpretou o recruta voluntário, Chris, no filme: Platoon. Na guerra do Vietnã,  a mesma abordada em Apocalyse Now. O ator Johnny Depp aparece discretamente no filme Platoon, quase desapercebido, como o mundo da voltas, hoje ele ele escolhe que filmes e papéis quer interpretar.Voltando ao filme: Curtindo a Vida Adoidado, ele continua atual, se um filme fosse feito sobre Ferris Bueller adulto, o maior desafio dele seria tirar o Ferris Bueller Júnior da frente do computador e ensiná-lo a Curtir a Vida Adoidado.