Jacaré No Capô

        Um trabalho artístico fantástico, feito no capô de um Lexus. Quando o mecânico for dar uma mexida no motor, vai sentir um arrepio na espinha. O futuro carro esportivo da Lexus terá 600 cv. Ele poderá ter 600 cavalos-vapor, mas um jacaré assusta mais que 600 cavalos. Uma das primeiras vezes, que cavalos e um jacaré aparecem num carro, bom, os cavalos não podem ser vistos, mas eles estão dentro do motor, na forma no sistema métrico que indica potência do motor, cavalos-vapor (cv). Uma dúvida comum é como diferenciar um jacaré de um crocodilo, há diferenças anatômicas, na dentição, mas quem vai querer ver a boca de um e de outro perto, para poder diferenciá-las. O modo mais eficaz e seguro  é pelo formato do focinho, os jacarés tem o focinho em forma de U, cabeça arredondada;  enquanto os crocodilos tem o focinho em formato de V, cabeça afilada. Esses répteis estão há muito mais tempo no planeta do que nossa espécie, praticamente, são fósseis vivos.  Eles podem até se parecerem entre si, mas nem mesmo são da mesma família: Alligatoridae é a família dos jacarés; Crocodilidae é a dos crocodilos, mas ambos pertencem a mesma Ordem: Crocodylia, além deles, pertence a mesma ordem os Gaviais, que são encontrados na Índia e Nepal. Não existem crocodilos no Brasil, mas isso não se aplica a um passado muito remoto, de acordo com as descobertas paleontológicas recentes, com crânio e mandíbulas completas, crocodilos  pré-históricos habitaram o Brasil há 80 milhões de anos, antes mesmo de isso virar moda na presidência, eles faziam a política café com leite, habitando São Paulo e Minas Gerais. Se houvessem crocodilos à presidência, há 80 milhões de anos, ou eles seriam mineiros ou paulistas, se fossem da capital de São Paulo, paulistanos. Você acha brincadeira, pois saiba que como protesto contra os políticos, os eleitores de São Paulo revoltados com a Câmara Municipal, em 1959, elegeram um rinoceronte como vereador, Cacareco (na verdade era uma fêmea). O rinoceronte obteve 110 mil votos, não pode assumir e não viu a eleição, dois dias antes do início das eleições, Cacareco (Cacareca) retornou ao Rio de Janeiro, ele havia sido emprestado pelo Zoológico do Rio de Janeiro, para a inauguração do Zoológico de São Paulo. Cacareco que viera emprestado, por 6 meses, para dar brilho a inauguração, conseguiu ser eleito a vereador, uma façanha sem precedentes na política.  A fama dele não parou por aí, ele foi citado na revista Time: BRAZIL: The Rhino Vote - Monday, Oct. 19, 1959. Um eleitor, que deve ter votado no Cacareco, disse: "É melhor eleger um rinoceronte do que um asno". Voltando aos crocodilos pré-históricos, eles  foram contemporâneos dos dinossauros. Saber que os crocodilos já habitaram o Brasil, poderia mudar o ditado popular que aconselha ter cuidado ou precaução: "Em rio que tem piranhas,  jacaré crocodilo nada de costas". Uma última curiosidade, na língua inglesa, você pode se despedir à moda jacaré ou à crocodilo: "See you later, aliggator!" (Até mais tarde, jacaré!) ou "After a while, crocodile!", com a variação - "In a while, crocodile!" (Até já, crocodilo!). ou pode sair à francesa, de fininho, sem se despedir. Poderíamos adaptar uma tradução para: “Até, Jacaré!. Eu não consegui pensar numa despedida aportuguesada para o crocodilo, mas, se você tiver uma sugestão, deixe um comentário. Para mandar alguém para bem longe, poderia ser: Vai pro Nilo crocodilo!.