Dinheiro Público, Corrupção e Burocracia


        Não existe país no mundo que esteja livre da praga da corrupção. Como não se pode ter garantia da honestidade e ética dos políticos, empresários e agentes do estado, somente quando houver penas severas para corruptos e corruptores, a situação mudará. Os números exatos do desvio de dinheiro público são desconhecidos. Para cada bilhão de reais que se descobriu ter sido desviado, há uma quantia desconhecida que foi desviada, mas não pode ser descoberta ou rastreada. Diluída em esquemas de corrupção, em troca de favores entre padrinhos e apadrinhados políticos, essa quantia continuará desconhecida. Aqueles que desviam dinheiro público fazem de tudo para não serem descobertos, camuflam as justificativas dos gastos com notas fiscais frias. Eles esperam até que o tempo, impunidade e esquecimento enterrem de vez a chance de eles serem descobertos. Os meios de se fazer o dinheiro público ser desviado vêm se aperfeiçoando. As categorias de desvio de dinheiro público vão desde obras, eventos, passando por cursos de qualificação profissional, Ongs, contratos publicitários e consultorias. Quando a fiscalização aumenta numa categoria, eles migram para outra, que é mais difícil de fiscalizar ou rastrear. Depois que a verba vai se diluindo pela ação de corruptos e corruptores, o pouco que sobra ainda tem que passar pela burocracia, também conhecida como burrocracia. Os órgãos de fiscalização e a Polícia Federal estão agindo, prisões são feitas, de tempos em tempos, novos esquemas são descobertos e investigados. Os corruptos e corruptores são uma sociedade secreta do mal, eles são articulados, fantasiados de representantes do povo, essa sociedade secreta fez das verbas públicas, uma festa particular. Isso não é uma teoria da conspiração, é uma conspiração real posta em prática, com os meios secretos deles, essa sociedade secreta do mal, corruptos e corruptores, minam a população brasileira faz muito tempo, matando indiretamente milhares de pessoas que ficam sem atendimento médico, sem segurança, sem moradia, sem educação. Até as Ongs, que têm um papel muito importante na ação social, estão sendo usadas, muitas estão sendo investigadas, elas têm ligações com políticos e os apadrinhados deles, recebem verbas públicas, contratam sem licitação, entre outras irregularidades. As emendas parlamentares são outro exemplo, empreiteiras contratatas que têm ligação com o político que apresentou a emenda, licitações públicas, onde as empreiteiras “concorrentes” combinam o preço.  As artinhas, macetes e truques para fazer o dinheiro público se pulverizar e despistar a fiscalização, a prestação de contas maquiadas, camufladas, material superfaturado, os aditivos nas obras.  Aulas de qualificação profissional que não foram dadas nem assistidas, alunos que nada aprenderam,  verbas para contratação de artistas que não se apresentaram, dinheiro público que literalmente virou fumaça, usado para comprar fogos de artifício em eventos. O povo precisa de show pirotécnico ou remédio?.Tudo isso se apresenta como um desafio à fiscalização. Como ilusionistas, a sociedade secreta do mal  faz o dinheiro público sumir e aparecer nos bolsos e contas deles, mas o povo não se sente vendo um show de ilusionismo, o povo se sente assistindo o espetáculo da própria desgraça e descaso com o dinheiro que, como o próprio nome diz, é dinheiro público que deveria ser usado para o benefício da população. Eles políticos não apareceram do nada, foram eleitos pelo povo, ou o povo está escolhendo mal, ou a maioria das opções de políticos é péssima, talvez, os dois fatores. Há a lei da ficha limpa, existe a história do político. Por que o povo continua elegendo representantes da oligarquia e os filhotes da ditadura?. Esperamos ver as manifestações de mudança que foram feitas nas ruas, aparecerem nas urnas.