Supergirl Ganhará Próprio Seriado

        É uma pássaro?. É um avião?. Não, é simplesmente a prima kryptoniana do Superman, a Supergirl. Depois de um filme sem grandes repercussões, mesmo com a boniteza posta à mesa da linda Helen Slater, em 1984, Kara Zor-El apareceu novamente na sétima temporada de Smallville. Já passava da hora de ela ganhar o próprio seriado. Isso acontecerá em breve, a CBS comprometeu-se com o seriado, o responsável pela produção será Greg Berlanti (Arrow, Flash). Quem deverá criar o roteiro do episódio piloto, que dará origem a série, será Ali Adler (No Ordinary Family). O projeto conta ainda com Geoff Johns, diretor criativo da DC Comics. O seriado deverá girar em torno do dilema e dos desdobramentos dele, isto é, da escolha  que vem atormentando os membros da  família Kent ou família El, depois de tentar manter os superpoderes em segredo da sociedade, chega uma hora que a pressão interior para assumir a identidade de super-herói é tanta que eles não resistem.  Para manter essa vida paralela em segredo, é preciso usar um uniforme de super-herói com a emblemática capa, no caso dos Els, sem máscara. Se formos pensar bem, ser pré-adolescente e adolescente não é fácil, se imaginarmos que tanto Kara, essa na pós-adolescência, quanto seu primo Kal-El tiveram que passar por essas fases, num outro planeta, Terra, tentado entender e controlar superpoderes causados pelo nosso Sol amarelo, não é nada fácil. O que é ter uma espinha ou várias, comparado com ter que lidar, compreender e controlar poderes sobre-humanos, além disso, escondê-los de amigos e da sociedade. O seriado deverá focar na  Kara Zor-El, 24 anos de idade,  quando ela começa a arcar com as responsabilidades e dificuldades de ser uma super-heroína e uma mulher “normal” de 24 anos de idade. Será que as Kryptonianas têm TPM?.  Kara Zor-El teve mais sorte do que seu primo, ela ainda viveu parte da adolescência em Argo City, uma das principais cidades de Krypton. Se ela era adolescente quando Krypton explodiu, ou seja, cronologicamente, mais velha que o primo dela, o Super-Homem, como ela é mais nova?. Ela ficou em animação suspensa, criogenicamente, o tempo para ela não passou, enquanto seu primo, um bebê, foi encontrado pela família Kent, o resto todos nós já sabemos. Na versão original, ela vive disfarçadamente, usando uma peruca morena, num orfanato,(Midvale), usando o nome de Linda Lee, posteriormente, sendo adotada pelo casal Danvers, torna-se: Linda Lee Danvers (Action Comics #252 - Maio 1959). O post está ficando enorme, não dará para entrar no tema linha temporal, realidade alternativa (Saga Crise das Infinitas Terras, publicada em 1985).  Voltando ao seriado dela, que ainda não estreou,  ele ainda não tem um nome definido, o mais lógico é viável é que se chame Supergirl. No Brasil, é bem provável que ganhe um aposto explicativo tal como Smallville: As Aventuras do Superboy ou Lois & Clark - As Aventuras do Superman. Eu gostei muito do seriado Lost, não precisou se chamar chamar Lost - Perdidos Na Ilha Estranha, assim como não precisou ser The Walking Dead: Os Mortos-Vivos. Mesmo assim, traduções como “errantes” soam estranho,  prefiro zumbis ou mortos-vivos, independente do que os tornou isso. Voltando, de novo, ao seriado da Supergirl, Supermoça ou Supergarota, espero que faça muito sucesso, que dure, pelo menos, sete temporadas.  Além do roteiro e produção, a computação gráfica será muito importante, superpoderes sempre exigem isso, que apresentem a Supergirl como nunca antes vista, originalidade. A escolha da atriz que viverá Kara Zor-El deve ser um dos grandes desafios. Uma atriz muito conhecida, com corpo perfeito, deverá ser escolhida ou uma desconhecida igualmente linda que encarne a Supergirl, de acordo com a personagem da DC Comics, loira de olhos azuis, nesse caso, ela poderá ficar mundialmente famosa pelos próximos anos, depois, quando o seriado acabar,  poderá ser esquecida para sempre e ficar fazendo pontas noutros seriados, carregando a maldição dos que  fazem muito sucesso num seriado, para sumir em seguida, ficando num limbo profissional. Para depois parar naqueles famosos posts, que eu sou fã também: “Por onde andam os atores do seriado....” O problema, no passado, era que o primo famoso da Supergirl, o Super-Homem ou Superman, captava não só as atenções, mas as verbas também. Eu gostaria que, dessa vez, o Super-Homem passasse longe do seriado da Supergirl, nem aparecesse por lá para falar de Krypton, nem da família, nem para tomar um café com a prima. É a Supergirl, não é o Primo Cruzado, um seriado antigo que passou no Brasil. Se fizerem isso, e der muita audiência, ele começará a vir sempre.  Qualquer personagem que faça uma aparição num seriado corre o risco de aparecer esporadicamente, ainda mais se for muito conhecido, isso quando não se torna fixo no elenco. Cada personagem que faz uma ponta ou aparição é igual ao Drácula, quando a audiência sobe muito, é como o público convidando o Drácula para entrar no seriado. Claro que será difícil falar da Supergirl, sem citar o primo famoso, mas podem apenas citar, mencionar, fazer referência. Eu espero que o seriado não descambe para: “Primo e Prima de Krypton”, com direito a troca de cristais e fobias de Kryptnonita. Apesar disso, não se pode descartar que aconteça. Se as pessoas ficarem curiosas sobre, talvez, o seriado se transforme numa Sitcom de primos. Clark & Kara, abrem uma microempresa de marmitex: As Kentinhas, de Clark e Kara Kent  Eu forcei um pouco a barra, reconheço. Um terrível erro, pode chamar de equívoco de tradução, que eu achei na versão brasileira de SmallVille, foi  a tradução para Pequenópolis, se tivessem deixado SmallVille, eu teria imaginado uma pequena Cidade, Vila ou Condado no Kansas, mesmo que corretamente traduzida, achei Pequenópolis, como se diz, nada a ver, caberia melhor para as: Novas Aventuras de Gulliver. Eu torço pelo sucesso desse novo seriado, que ela seja uma Kryptoniana, uma extraterrestre heroína é que, dessa vez, o primo famoso não a atrapalhe.