Poltrergeist, Mistura de Poltrona com Poltergeist

        Essa parece ser a poltrona fantasma, amorfa, disforme, desconstruída, fantasmagórica. Realmente, muito original, lembra também um mini-iceberg de água cristalina, congelada. Lembra até mesmo uma poltrona que foi coberta por um manto de invisibilidade, que estava tornando invisível só 70 por cento do que cobria. Parece também o resultado de uma poltrona feita por um soprador de vidro, seguindo orientações do pintor surrealista Salvador Dalí. Essa poltrona seria perfeita para apreciar a pintura de Dalí, chamada: "A Persistência da Memória", aquela pintura, onde aparem os relógios derretendo, a poltrona também parece estar se derretendo. Alguém que se depare com essa poltrona, se ela estiver colocada na penumbra, vai  levar um pequeno tempo para entender, talvez, um pequeno susto, podendo até confundi-la com a bolha assassina. Poltronas e cadeiras existem em vários materiais. Essa poltrona da foto não é uma poltrona nada ergonômica, lembra mais um híbrido de puff com poltrona. Uma escultura de poltrona inacabada. Não seria exagero chamá-la de poltrona água viva. Essa poltrona, ou seria puff, parece mesmo um monte de plástico enrolado.  Apesar de a forma sugerir uma  plasticidade, parece uma grande prótese de silicone disforme, a  mulher, sentada na poltrona, não parece muito confortável. Não é uma poltrona para relaxar, muito menos um divã. Parecem ser duas poltronas diferentes a julgar pela diferença do descanso de braço entre a primeira e a segunda foto ou a poltrona se deforma, quando alguém senta nela, até certo ponto. Antes que me perguntem, eu não faço a mínima ideia de onde ela pode ser comprada. Como ela perece estar se materializando, indefinidamente, sem nunca fazê-lo, poderíamos ficar na dúvida do que ela realmente se tornará, mesmo nunca se tornando. Puff ou poltrona. Puffergeist não daria um trocadilho tão bom, mistura de puff com poltergeist.  Ela talvez não seja o tipo de poltrona ou puff para se sentar e relaxar, está mais para uma poltrona onde os pensamentos se dissolvem em dúvidas.  Ela também demonstra como o design é importante, a poltrona passa uma impressão perturbadora, de instabilidade. A sensação que passa é a de que a mulher não deveria estar sentada nessa poltrona, quem deveria é aquele personagem da tela: “O Grito”, de Edvard Munch, pintor, gravador norueguês, e um dos expoentes do expressionismo, movimento artístico surgido no término século XIX e início do século XX. Uma mulher linda sentada numa poltrona angustiante. É verdade que poderíamos pensar na cena da foto como sendo uma mulher sentada numa poltrona surrealista e onírica, relativa aos sonhos. Se a cena da mulher sentada na poltrona fosse uma pintura, eu a chamaria de “Mulher Sentada na Poltrona Angustiante”. A poltrona gasparzinho é diferente, não resta dúvida. Poltrona ectoplásmica  seria um bom nome, aliás, essa poltrona combina muito mais com o Geleia dos Caça-Fantasmas, do que com a mulher linda que está sentada nela.  A boneca Annabella, do filme de terror, diria ou pensaria que essa cadeira foi feita para ela, embora ela prefira a cadeira de balanço. O mais importante é que gosto não se discute, e cada um tem o seu gosto particular. O bom e o mau gosto são subjetivos. Apesar de eu gostar muito de filmes de terror, eu preferiria aquelas poltronas futuristas dos anos 60, que hoje são retrôs.