O Teclado Doce

        Esse é mais exemplo da influência do computador, no caso o teclado, na confeitaria, é um teclado padrão QWERT feito com biscoito, chocolate e marshmallow. As formigas ficarão muito mais impressionadas, ao encontrar esse teclado doce, elas perceberão que todo o teclado é feito de doce, não é como os restos ou migalhas de comida e doces que elas podem encontrar normalmente num teclado de plástico. Essa ideia de fazer objetos de chocolate não é novidade nem surgiu com a internet e os computadores. Coelhos de chocolate, Papai Noéis de chocolate. Assim como nas histórias infantis e contos de fadas, casas feitas de chocolate e doces, onde tudo que está dentro e fora da casa é comestível. Quem nunca pensou no rio de chocolate, visto no filme: “A Fantástica Fábrica de Chocolate”. A cena do ator Gene Wilder, com a mão no queixo, virou Meme: “Fale-me mais sobre...” Esse clássico é de 1971, foi feita uma refilmagem com o ator Johnny Depp interpretando Willy Wonka. Houve comentários que Steve Jobs teria tido a ideia de ser um Willy Wonka da fábrica ou de um parque temático, sendo o anfitrião de sortudos convidados para adentrarem e conhecerem os excelentes e visionários produtos da Apple. Esse boato existiu, mas saber se realmente foi verdade... O que todos nós pensamos, esse deve ser um dos pensamentos universais de toda criança, ou quase toda, desde a infância, é que as fábricas de chocolate são o melhor lugar do mundo paras se trabalhar, principalmente, quem é louco por chocolate já deve ter pensado em conhecer ou trabalhar numa fábrica de chocolate. Na minha infância, havia um vizinho que trabalhava numa fabrica de chocolate famosa, e o que ele disse para o meu pai foi que não aguentava mais o cheiro de chocolate, por senti-lo quase todo dia, exceto sábados, domingos e feriados. Como eu estava junto e ouvi a coversa, a partir desse dia, meu sonho de trabalhar numa fábrica de chocolate acabou, mas a compulsão por comer chocolate continua até hoje. Eu também jamais poderei trabalhar numa pizzaria, pelo mesmo motivo. A ideia de deixar de gostar de chocolate, por essa exposição diária, foi muito negativa, era como se, ao realizar um sonho de conhecer e trabalhar em algo que você gosta muito, enjoasse de gostar daquilo. Por isso, a ideia de visitar a fábrica, mas não trabalhar nela, foi muito melhor. Essa curiosidade foi satisfeita por reportagens mostrando todo o processo de produção do chocolate, é verdade que a televisão não tem cheiro, pelo menos, por enquanto, mas já não se pode dizer o mesmo dos celulares. Uma empresa japonesa já criou um dispositivo que “envia” fragrâncias pelo celular, o Scentee, graças a vários cartuchos odoríferos, é possível fazer uma combinação de cheiros. Se essa ideia se popularizar, ela terá um lado bom e outro mau, pode-se mandar uma mensagem com fragrâncias de rosas para uma mulher, assim como se pode mandar uma mensagem com cheiro de ovo podre, enxofre ou pum para algum chato que manda spam. Até mesmo, aqueles amigos que gostam de trollar(zoar) os amigos deles, não perderão essa oportunidade. Ao que parece, tudo que foi tentado nos anos 60, mas não vingou, está voltando com força total, graças as novas tecnologias e possibilidades, o cinema 3-D, por exemplo, até a ideia de filmes com cheiro já foi tentada anteriormente. O sistema Smell-O-Vision, criado nos idos dos anos 60, enquanto o filme era projetado, o dispositivo emitia cheiros, acrescentando mais um sentido para que os espectadores pudessem apreciar o filme com um sentido a mais. A ideia não foi para frente, mas o conceito de cinema 4-D, com cheiros e sensações térmicas, começa a querer ganhar força. Pensado bem, aquelas cenas, onde corpos em decomposição são encontrados, não devem ser nenhum pouco agradáveis nesse conceito de cinema 4-D. É bem provável que tais cenas não sejam acompanhados dos respectivos cheiros.