Tomar Banho Quente No Frio

       Depois do aumento nas contas de luz e água, nada pior do que sair de um banho quente, quando está muito frio. Esse não é o único inconveniente, a resistência do chuveiro pode queimar, principalmente, quando se está com shampoo no cabelo, com os olhos fechados, para não arder o olho, corpo ensaboado, nessa hora, é melhor não pensar que a resistência do chuveiro pode queimar, parece que se ela souber que alguém tem esse medo, ela queima de “propósito”. Emendar a resistência, nem pensar, além do perigo, o gasto de energia aumenta.  A única solução é comprar uma resistência ou chuveiro novos. Tudo pode ficar pior no frio, basta esquecer a toalha, mas medida extrema é usar a própria camisa para se enxugar, claro, depois sair e trocar de camisa. Puxar a água do chão do banheiro com o rodo, serve de aquecimento nos dias de muito frio. O problema de usar a regulagem do chuveiro no inverno é o aumento de 30% no gasto de energia, comparado com a posição verão da chave, sem contar que, ao abrir bem menos a saída de água, não é difícil tomar um choque. Há dias tão frios que um filete de água caindo do chuveiro, com a chave na posição verão, parece não resolver. Nem sempre a fiação do chuveiro, de casas alugadas ou próprias, está em ótima condição. Não é raro que se sinta um cheiro estranho de fios queimados, o chuveiro vira uma bomba relógio. Em casos extremos, até faíscas e fogo saem. Nas baixas temperaturas do inverno, desligar o chuveiro, com água quente batendo nas costas, pegar o mais rápido a toalha, é uma gincana para sentir o menos frio possível, nessa transição de quente para a temperatura ambiente, a qual está muito fria. Essa sensação desagradável, esse dilema térmico, não é um choque térmico exclusivo da nossa espécie. No inverno japonês, os macacos japoneses, do parque dos Macacos de Jigokudani, vivem situação desconfortável parecida, quando precisam sair da água quente das fontes termais e voltar as rigorosas temperaturas frias. Os macacos das neves, macaco fuscata, usufruem desse ofurô natural, ou quase, os amigos humanos dos macacos japoneses construíram uma barragem de pedra, para acumular água quente nas montanhas do parque Jigokudani. Os macacos das neves podem ser observados, como se estivessem num spa, relaxando e curtindo essa mordomia. Quando saem das piscinas aquecidas, eles não têm toalhas, mas tem uma pelagem espessa, mesmo assim, sair da água quente para uma temperatura que pode chegar até a -20ºC, não é nada agradável. Se o abominável homem das neves existisse (os russos disseram que ele existe e mora na Sibéria), ele não resistiria, iria também desfrutar dessas fontes termais. O problema seria ele curtir as piscinas naturais quentes, sossegadamente, já que o spa dos macacos japoneses atrai turistas do mundo todo.