O Sofá-Barco

       Sentar-se no sofá, geralmente, é sinônimo de sedentarismo. Levanta desse sofá e vai dar uma volta lá fora, dizem alguns. Alguém pensa por que não fazer um sofá móvel, ampliando o sentido de que pode ser movido, peça de mobília, não no sentido de mobília, mas um sofá que se desloque com um motor de popa. Depois dessa ideia original, o resultado é o sofá-barco ou sofá aquático. Se a ideia decolasse, ou melhor fluísse, restaria definir onde seria comercializado o sofá-barco em lojas de departamento ou náuticas. Podemos ver, nas fotos, que o projeto foi idealizado e executado com sucesso, desde a acoplagem do motor até o flutuador que faz o sofá-barco flutuar. Com capacidade para dois passageiros, pode-se desfrutar de um passeio no rio ou lago, confortavelmente sentado, e, ainda, molhando os pés na água. É verdade que o sofá-cama já existe faz tempo, mas sofá-barco é novidade. Vendo as fotos, não seria impossível que o inventor criasse um sistema para que o sofá andasse em terra também, claro, com rodas, seria, quem sabe, o primeiro sofá anfíbio do mundo. Um detalhe não se pode deixar de perceber, o cheiro do sofá não deve ser dos mais agradáveis. Nada que um dos milhares de tutorias de como preparar misturas que tiram o cheiro de tudo, não ajude a minimizar. Se o cheiro ficar insuportável, ou com o passar do tempo, basta substituir o sofá por outro. Apesar de ficar exposto ao sol, e o nível da água não alcançar o assento, aquele típico cheiro de tapete molhado deve ser sentido. Geralmente, associação entre sofás é água é das piores, nas chuvas, enchentes e transbordamento de córregos e rios, as pessoas tentam evitar a perda, colocando os móveis em lugares altos. Outra associação, péssima, é a cena dantesca de sofás jogados em córregos e rios, nesses casos, os sofás foram levados até as águas, descartados lá. O que podemos esperar é que esse conceito de móvel aquático seja aplicado numa cama de solteiro, se é questão de conforto e relaxamento, ir deitado é melhor ainda. Se for numa cama de casal, aquela famosa cena do Titanic pode ter uma versão na cama aquática com motor de popa. A foto pode inspirar muita poesia surrealista, histórias de pescador e contos náuticos.