Seu Crush Está Num Relacionamento

       Muitos devem estar se perguntando: “crush” não era um refrigerante sabores laranja e uva?. Sim, foi uma famosa marca de refrigerante. Há um comercial disponível, no Youtube, de 1987. A Crush (bebida) ou o Crush (refrigerante), não é mais fabricado no Brasil, quando era, as indústrias responsáveis eram: Golé e a Pakera,  ambas  franqueadas pela multinacional Cadbury Schweppes. O interessante é que a indústria Pakera, depois anos, tenha tudo a ver com o atual significado de crush. Essa relação crush/paixonite foi importada dos Estados Unidos, não surgiu da relação entre o nome da indústria brasileira e um refrigerante que deixou de ser fabricado faz anos, mas a relação entre o atual significado e a indústria Pakera, não deixa de ser interessante.  A expressão crush está tão disseminada quanto a palavra trollar, aportuguesada com duas consoantes mesmo. Os famosos memes de crush, da internet, com certeza, são responsáveis pela gíria inglesa se espalhar.  Numa tradução livre, crush significa: “paixonite”; “quedinha”; “estar a fim”. Agora, que a palavra crush está atualizada no tempo, a tirinha ficou compreensível. A decepção da menina foi tanta que ela ficou com vontade de “sumir” do mundo. Esse sentimento não se aplica apenas a decepções amorosas (mesmo aquelas que o amor nem aconteceu ainda, as decepções amorosas platônicas), pode ser relacionado a outros sentimentos e outras metáforas, como vontade de fazer um buraco no chão e ficar lá dentro por um tempo, ficar congelado, criogenicamente, e ser “reanimado”, acordado, daqui 100 anos.  A metáfora do tubarão é interessante, mas não significa Jonas no estômago da baleia, o tubarão é mais um lugar para se ficar quieto e esquecer da vida por um tempo ou “curtir” uma fossa com músicas melancólicas ou ficar se torturando mentalmente, desconfiando  que Universo está conspirando. O problema é quando o metafórico estômago do tubarão se torna um lugar no qual se quer ficar por um período maior de tempo. Uma cabana isolada numa floresta ou fugir para as colinas, seriam outras metáforas semelhantes, assim como deitar na cama e ficar olhando para o teto. Existe até mesmo quem queira, metaforicamente, que uma bomba caia e destrua todo o bairro. Com o tempo, essa frustração da paixonite aguda passa ou essa paixão inflamada frustrada passa, e a pessoa sobrevive, claro, todos do bairro, que não tem nada a ver com essa história, também.