Meme: Trabalho De Escola

Meme parece uma palavra cunhada no teclado e postada num site, blog ou rede social, mas foi a velocidade da internet que a tornou tão conhecida, assim como a capacidade de se espalhar pela web como uma pandemia viral de zoeira popular. Meme é simples, não parece que estamos falando grego, mas estamos. Os desenhos toscos feitos no Paint, depois, melhorados no Photoshop, tornaram-se famosos.

O termo Meme (que significa imitação em grego) foi usado por Richard Dawkins, em seu livro The Selfish Gene (O Gene Egoísta, lançado em 1976), é a evolução cultural espalhada rapidamente por meio de uma ideia, som ou qualquer outro meio de informação. Como informação espalhada rapidamente, existe desde os primeiros meios de se transmitir comunicação entre a espécie humana.

Assimilado pela velocidade da internet, o meme da web é um link, foto, (com ou sem legenda), Gif, site que se espalha, viraliza-se, rapidamente na web, tornando-se popular. O verbo “viralizar” explica bem, pois o meme se espalha rapidamente, naquele contexto engraçado e, às vezes, ridículo, depois de um tempo, ele perde força, e outro meme surge. Isso poderia ser chamado de: “alta rotatividade mimêmica”.

Assim como um vírus, depois de se espalhar, perdem a força, desaparece, não quer dizer que o meme nunca mais voltará, ele pode voltar “geneticamente” e “zoeiramente” reeditado, adaptado para o atual momento engraçado, ridículo ou tragicômico.

A frase: “Virou meme” já fez muita celebridade e pessoas comuns se alastrarem viralmente por redes sociais, sites de humor, notícias, blogs. O risco de “virar meme”, no sentido de viralizar por algo engraçado ou ridículo na internet paira sobre todos, basta dormir de boca aberta numa condução, fazer uma careta numa foto, falar uma besteira, usar óculos parecidos com os do Minions, mesmo trabalhando, pronto, legendas maldosas complementam o restante.

Além do contexto histórico, da memética (disciplina dedicada ao estudo teórico dos memes), do interesse da publicidade no potencial e poder da viralização do meme para espalhar a marca, ideia e conceito, os memes caricaturas em preto e branco fizeram, e fazem, muito sucesso. Este post trata, especificamente, dos memes: Troll Face; Fuuu ou Rage Guy; LOL; Forever Alone; Poker Face, entre outros.

Existem também os memes vetorizados de imagens de pessoas tais como: Obama Rage Face (também chamado de “Not Bad” (Nada Mal); o do Nicolas Gage “You Don’t Say?” (“Não me diga”; ”Você Jura? ” usado para respostas sarcásticas ou observações óbvias).

Ainda não há uma explicação de como o meme viraliza, porém algumas técnicas facilitam essa disseminação na web, contudo não garantem a viralização.

Os memes da leva Trollface já fizeram história na internet, espalhando milhões e milhões de momentos engraçadas entre os internautas. Num mundo de tantas tragédia e tristezas, rir com uma piada instantânea meme, mesmo sendo por poucos segundos, já seria motivo para o avô meme se orgulhar. É verdade que há memes para todos os gostos e para os gostos duvidosos.

O avô meme sentiu-se orgulhoso por ser tema, representar todos os memes, de um trabalho escolar do neto. A questão central, na tirinha, é se o meme foi inútil, depois de tanto tempo zoando, claro que não, divertimento, momentos bem-humorados não só são úteis, mas necessários para esquecer dos problemas. O meme se questionando se a zoeira foi útil já é uma zoeira.

Às vezes, politicamente incorretos, ácidos, polêmicos, incomodamente verdadeiros, puros, inocentes, de mau gosto, venenosos os memes se viralizam, espalhando-se no dinamismo e velocidade da web e faz tempo que eles deixaram de ser apenas caricaturas em preto e branco ou fotos vetorizadas.

Tudo que se viralizar, espalhando-se, popularizando-se na internet, é chamado Meme. Antes, o termo era mais associado a turma do Trollface.