300 DE ESPARTA, A BATALHA DE TERMÓPILAS

    A polis espartana concentrava-se, exclusivamente, na formação de bons soldados, com sete anos o filho era enviado ao exército, fazendo todo o treinamento militar, lutas, lançamento de dardos, discos. Infelizmente, os espartanos praticavam uma aberração conhecida como eugenia (os nazistas também puseram em execução esta monstruosidade chamada eugenia), isto quer dizer, sacrificavam todos os recém-nascidos com algum defeito físico, ou que julgassem inaptos. As Cidades-Estado gregas estavam sob ameça das invasões Persas, uniram-se então, numa aliança liderada por Leônidas I, rei e general espartano, exímio estrategista escolheu  Termópilas, para o combate, o motivo, pode ser explicado pelo seguinte exemplo, o desfiladeiro estreito, iria diminuir a vantagem numérica dos soldados  Persas de Xerxes, que eram um contingente de 250 mil soldados, aproximadamente, contra 7000 mil gregos, mais os famosos 300 de Esparta. O raciocínio é simples, porém, muito importante, imagine um funil, não importa o quando você coloque de uma substância, só passarão pelo calibre do funil uma certa quantidade, em determinado tempo. Então os 250 mil soldados persas, não poderiam combater todos ao mesmo tempo, teriam que ir passando numa fila determinada pelo corredor. Basicamente o corredor Polonês. No segundo dia da batalha os persas estavam sofrendo grandes baixas, infelizmente, Ephialtes, traiu os gregos, desertou, e informou Xerxes que havia uma passagem alternativa pelo desfiladeiro, com isso os gregos for flanqueados (cercados pelos lados), os soldados gregos que guardavam a passagem, cerca de 100, não conseguiram deter o persas numericamente superiores. Foi o golpe final para os gregos, Leônidas, sabendo que a derrota era certa, dispensa os gregos não espartanos, pois, o espartanos eram treinados para lutar até a morte, porém, cerca de 600 soldados, decidiram lutar até a morte para retardar o avanço persa, lutaram, até o último grego tombar, fala-se que alguns que perderam a espada lutaram com as próprias mãos, era melhor morrer lutando do que virar escravo dos persas. Embora perdendo esta batalha os gregos impressionaram muito Xerxes, causando muitos danos e enfraquecendo o exército persa, nas batalhas que se seguiram, as investidas persas foram todas vencidas pelos gregos, inclusive, as marítimas, pondo um fim a campanha de invasão persa. A HQ, os 300 de Esparta, de Frank Miller foi adaptada para o cinema.