Bíblia Não Convencional


       A Bíblia Sagrada, o conjunto de livros do Antigo e Novo Testamento, é o livro mais lido, vendido, publicado e traduzido do mundo. Johannes Gutenberg (≈1398/1468), o inventor da tipografia, o processo que utilizava tipos móveis, os quais podiam ser utilizados novamente, foi responsável pela impressão da Bíblia, juntamente com mais 20 colaboradores, imprimiu a Bíblia, a qual ficou famosa pelo processo de impressão, ficou conhecida como “Bíblia de Gutenberg”, o trabalho homérico que incluía o Velho e Novo testamento, na integra, e, em latim, durou alguns anos. Graças a Gutenberg, não só as palavras da Bíblia, mas todo o conhecimento pode ser propagado no Ocidente.  Com a invenção dos computadores, toda a terminologia da tipografia foi assimilada pelos softwares de editoração eletrônica: corpo, fontes, entrelinha, caixa alta e baixa, justificar, etc. O fato é que os computadores exterminaram as tipografias, centenas de quilos de tipos, a oficina, cabiam, virtualmente, num HD de computador. Muitos dos tipógrafos, principalmente os mais idosos, não conseguiram migrar para a editoração eletrônica, foi um choque tecnológico sem precedentes. Algum tempo depois, veio a internet, sites. A propaganda impressa  perdeu terreno rapidamente, a tipografia e as gráficas foram as primeiras vítimas, hoje, o parque gráfico sobrevive, praticamente, da impressão de embalagens. Claro, ainda há folder, panfleto, flyers, folhetos (peças de rápida circulação) etc. Uma outra categoria imensamente prejudicada foram os jornaleiros, que detinham o conhecimento, por assim dizer, informados em seu tabernáculo do conhecimento: a banca de jornal. Quem nunca pensou, antes de a internet existir, dever ser legal ser jornaleiro e ler todas as revistas, hq e jornais de graça.  A internet exterminou muitas profissões e criou muitas também, que serão exterminadas ou transformadas em outras depois. Isto não irá parar por aqui, o processo começou. Eu percebo que há uma corrente que finge que não está acontecendo nada, deitadas no status quo. Haverá, já houve, e continuará, um Darwinismo Internético, quem não se adaptar as mudanças do meio internético tecnológico vai ser extinto em várias profissões e carreiras, muitos já estão se adequando. Até mesmo as clássicas sentirão o abalo da força que virá em ondas. A foto do post é um exemplo claro, nenhuma atividade está imune. O Papa que renunciou recentemente tinha uma conta no Twitter. O que vemos na foto não é a Bíblia de Steve Jobs, nem uma das tábuas da lei (tablets) que Moisés recebeu no Monte Sinai, é um iPad da Apple, no qual ele lê trechos das Sagradas Escrituras para a cerimônia religiosa que está sendo realizada. Há uma maçã mordida, logotipo da Apple, é verdade, mas, muito provavelmente a maçã não foi a fruta do pecado original, porque não era comum na região, na qual, historicamente, encontrava-se o Jardim do Éden. Muitos vão criticar a atitude dele, dizer que nada substitui o prazer de folhear um livro (se bem que tem emuladores de página virando), claro, ler um livro sempre será uma experiência única, cansa menos a vista, eu particularmente, sempre gosto de ler. Leio muitos e-books e livros em formato PDF também. Muitos o criticarão pelo fato de ele não estar segurando a Bíblia, o livro físico, feito de páginas que são folheadas, como manda o figurino eclesiástico. A Igreja até poderia acusá-lo de induzir os fiéis a comprar um iPad da Apple, há várias outras marcas no mercado. As pessoas mais idosas podem até achar uma blasfêmia, achar que o iPad, ou  outro Tablet, podem conter páginas virtuais da Bíblia, mas não têm a mesma força moral, digamos assim, da convencional  Bíblia. Podemos afirmar com segurança que ele é antenado com a internet, tem uma conta no Google+, Facebook, Twitter. Em minha opinião, ele está certo. Ele percebeu aquela mudança e está se adequando, usar todas as ferramentas da internet, redes sociais, tablets, smartphones, dispositivos móveis de última geração etc. Missa via webcam, já existe a televisionada, confessionário virtual, por que não?. Já houve cerimônia religiosa de enlace matrimonial pela webcam com noivo, noiva e padre, via vídeo conferência. Acender uma vela digital para o Santo, pagar uma promessa virtualmente, nem sempre a pessoa pode ir até o local físico. A internet é uma ferramenta, ela é uma mudança do meio, ela veio para revolucionar e também para extinguir quem não entendê-la, compreendê-la ou negá-la, enfim, quem não se adequar a ela. O interessante da Internet é que ela não obriga ninguém a fazer parte dela, claro, nas profissões ela é agora indispensável, mas, usa um princípio forte, o ser humano não gosta de sentir-se excluído, isso vale para a turma da escola, colegas de trabalho, e vale para a rede também. Todos dizem que é maravilhosa, todos estão nela, pode-se ver e realizar façanhas impressionantes nela.  Obviamente, todos têm o livre-arbítrio para viver na Idade da Pedra, mas, quem é que vai querer?. Acredite se quiser, tem quem queira, os Amish, por exemplo, grupo religioso cristão anabatista, sediados nos Estados Unidos e Canadá, têm costumes conservadores e têm aversão a equipamentos eletrônicos, não usam carros, usam carroças.