Dia D - O 70º Aniversário Do Dia Mais Longo Da História

        Há 70 anos, acontecia o maior desembarque anfíbio da história, o Dia - D, codinome: Operação Overlord. O Mais Longo dos Dias. Os Aliados desembarcam na Normandia, muitos deles sacrificaram a própria vida para que o sonho de Adolf Hitler, de implantar uma nova ordem mundial, morresse na praia, e morreu. Nesse dia, as águas ficaram vermelhas de sangue, o sacrifício desses homens repousa nas mais de 9.000 lápides de mármore branco no Cemitério e Memorial da Normandia, próximo a um dos setores mais sangrentos da batalha, o setor Omaha, praia de Omaha, que foi de responsabilidade dos americanos, também coube aos americanos dar combate no setor Utah, além deles, nos outros setores das praias da Normandia:  Juno, Gold e Sword, havia: ingleses; canadenses; franceses; poloneses; belgas; neozelandeses; holandeses, além de voluntários de outros países. Nós tomamos contato com a Segunda Guerra Mundial no conteúdo programático do ensino médio, depois, ao prestar vestibular ou ENEM. Costumamos cometer o erro de achar que os eventos ocorridos na Europa estavam distantes da América do Sul, documentos recentes, da inteligência, demonstram que a infiltração nazista na América do Sul estava sendo implementada. Se não tivesse havido o Dia - D, a retomada da Europa ocupada pelos nazistas, o mundo não seria nada parecido com o que conhecemos hoje.  Os jovens que morreram nas praias da Normandia foram pegos num dos momentos mais sinistros da história da humanidade, ao invés de estar pensando em qual profissão seguir ou aproveitando a juventude, eles desembarcaram na boca do inferno na terra, muitos tiveram a vida interrompida aos dezoito, e aos vinte e poucos anos, muitos mentiam a idade, para se alistar na luta contra o nazismo. Os sobreviventes do Dia - D, os veteranos, tentaram seguir em frente. Não foi só uma guerra que decidiria o destino da Europa, o destino e a liberdade do mundo dependiam desses soldados. Há um discurso motivacional aos soldados do Dia - D que resume bem a responsabilidade: “Os olhos do mundo estão sobre vocês”.  Convém lembrar que o maior número da baixas dos soldados aliados, durante a Segunda Guerra, foi no Exército Vermelho, da ex-União Soviética.  Jô Soares diz algo que eu concordo plenamente, foi uma guerra que havia dois lados distintos: o bem e o mal. A Segunda Guerra nem havia terminado, já havia começado outra: A Guerra Fria. O mundo ficou confuso, o bem  e o mal ficaram difíceis de distinguir. Algumas postagens anteriores, há um post sobre um veterano que retornou a praia de Omaha, é comovente a foto, ele ajoelhado na praia, agradecendo por ter saído de lá vivo. A guerra é uma das maiores bestialidades da espécie humana, mas quando alguns tentam dominar o mundo pela força, pelas armas, pelo preconceito, pela ignorância, pela covardia ou por qualquer outro meio. Algo deve ser feito para impedir. O Dia - D significou isso, foi o começo do fim das ambições de uma besta humana chamada Adolf Hitler. Esse post é um meio simples de homenagear essas pessoas que sacrificaram a vida pelas gerações seguintes, as gerações do mundo inteiro. Entender pelo que eles lutaram e morreram, reconhecer, agradecer  a esses  corajosos “estranhos”, quase esquecidos pela poeira do tempo, é mais importante que depositar uma flor ou coroa nas lápides de mármore branco na Normandia. As flores murcham e desaparecem, mas as lembranças são eternas. Aos que lutaram na Normandia, aos que lutaram contra o nazismo, aos que sobreviveram, aos que morreram, minha eterna gratidão.