Pesadelos Recorrentes e Sonhos Premonitórios

        Há relatos de pessoas que têm um mesmo pesadelo recorrente, que pode durar por um período, e, às vezes, acompanhá-las por toda a vida. Estar à beira de um precipício, segurando-se apenas por uma mão, enquanto pede ajuda para alguém, é um clássico dentre os pesadelos recorrentes que envolvem: perseguições; tentar correr e não sair do lugar; acidentes de carro; falecimento de alguém bem próximo, entre muitos outros. Sonhar que se está caindo ou num lugar bem alto, precisando subir ou descer um penhasco, o resultado é uma noite mal dormida e um esgotamento mental ao acordar. Sem contar acordar no meio da noite ou do dia (se for um notívago), devido a um terrível pesadelo. As explicações e causas desses pesadelos recorrentes podem ser buscadas na psicologia, traumas, inseguranças, o enevoado subconsciente, a simbologia, nessa tentativa de compreender e, principalmente, livrar-se  desses pesadelos, um longo caminho pode ser percorrido.  Desde o pai da psicanálise, Sigmund Freud, que se  preocupou na abordagem científica do tema, passando pelo psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, entre outros renomados, os sonhos sempre despertaram muito interesse. Não se pode esquecer que o pesadelo nada mais é do que um sonho ruim, e o processo de sonhar que ocorre no sono REM (abreviação em inglês para movimento rápido dos olhos) é estudado há anos. Nessa busca pela tentativa de compreensão, as pessoas, mesmo num sentido lúdico ou de curiosidade, tentam descobrir o significado dos sonhos, buscando em livros, publicações e sites que os interpretam. Os chamados sonhos premonitórios têm incomodado muitas pessoas, como saber se é apenas uma simbologia ou se de algum modo, “acessam” o futuro. Como a mente científica faz essas concessões para lidar com os sonhos que seriam considerados premonitórios. Pode ser só um sonho simbólico,  alguém estava preocupado com a viagem de um parente, pois as estradas são perigosas, logo sonhou que ele morreu num acidente de carro. De qualquer forma, a pessoa que sonhou sente um terrível incômodo, caso o sonho ruim aconteça, ela pode mesmo se sentir culpada pelo resto da vida, mesmo sendo uma culpa irracional. Só existe um meio de lidar com isso, é contar o sonho ruim para a pessoa, é tirado um grande peso das costas de quem sonhou, a pessoa é avisada e pode tomar até mais cuidado do que tomaria normalmente, viajar ou não fica uma decisão dela, de acordo com as crenças que ela tiver. Se todos os voos fossem cancelados porque alguém teve um sonho premonitório, a aviação teria um grande prejuízo anual. Nesses casos, o máximo que se pode fazer é uma  escolha própria, embarcar ou não, e avisar algum amigo que esteja no mesmo voo. Se Júlio Rasec , tecladista dos Mamonas Assassinas, tivesse dado atenção ao sonho que teve, nas palavras dele: "Esta noite eu sonhei com um negócio assim... Parecia que o avião caía...". Ele disse isso para a câmera, estava angustiado. Se ele tivesse seguido a intuição, o sexto sentido, seja lá como isso possa ser chamado, estariam todos do grupo vivos. O que se pode supor é que, apesar de eles terem viajado muito, essa teria sido a primeira vez que Júlio Rasec teve esse pesadelo, pela reação dele, no vídeo, é possível notar a preocupação e seriedade, algo o incomodava muito. Depois de 12 horas desse registro gravado, o Learjet,  com o grupo e o piloto, chocou-se contra a Serra da Cantareira, todos morreram. Seria possível que, inconscientemente, acessássemos informações do “futuro”.  Um potencial mental, pensamento “quântico”.  “Lembranças Quânticas do Meu Futuro”. Seria um bom título de livro de ficção científica, agora só falta o enredo.  Isso responderia a pergunta de Stephen Hawking , por que ele conseguia lembrar do passado, mas não “lembrar” do futuro.  Para encerrar o post, existe uma ilusão de ótica na foto do post, envolvendo matemática e sombra.