Adesivo Família Feliz ou Quase...

        Adesivos família, família grude, família feliz esses adesivos viraram moda. Uma forma de exteriorizar o carinho pela família, alguns trazem até os animais de estimação, profissões, etc. Há catálogos para que cada família possa personalizar o seu, até aumentando, posteriormente, o número de membros da família. Colado na parte traseira do veículo, eles trazem humanização ao trânsito, inclusive, há alguns até com ilustrações estilizadas de grávidas, ou seja, antecipando o futuro adesivo bebê a bordo. Por falar nisso, havia um adesivo em inglês dizendo: “Adultos a bordo. Nós somos adultos e também queremos viver”.  Os adesivos família grude ou família feliz viraram moda nos Estados Unidos, e no Brasil também. O adesivo família grude é criativo, engraçado, não há nenhuma dúvida quanto a isso, porém, a Polícia faz um alerta, o adesivo família feliz traz informações sobre o condutor do carro que podem ser usadas para planejamentos de crimes pelos marginais, por exemplo, se aparecem dois filhos, o marginal pode seguir o carro, sabendo que a mãe ou pai podem estar indo pegar os filhos na escola, com essa informação, os marginais podem executar sequestros e uma variedade de crimes, somente com a informação de um simples e inocente adesivo colado na traseira do veículo. Além dos humanos, até os animais de estimação podem virar vítimas de um sequestro com pedido de resgate. Como o veículo circulará por diversos locais, o condutor ou motorista deve estar consciente desse risco, ao colar um adesivo família feliz no carro.  Embora seja febre nos Estados Unidos, o adesivo família feliz está longe de ser um unanimidade, não por uma questão de segurança, mas porque alguns acreditarem que aquele adesivo, nem de longe, reflete a realidade daquela família e são excessivamente melosos. Há os adesivos antifamília feliz, onde as ilustrações estilizadas, ou bonecos palitos melhor elaborados, são caracterizados com problemas, por exemplo, o que representa o pai, bebendo, e as crianças retratadas como delinquentes ou rebeldes sem causa, possivelmente, alguém que não tem família, e não quer constituir uma,  ou alguém que acha que esses adesivos, pelo menos alguns deles, são pura hipocrisia e falsidade. Nesse da foto, por exemplo, papai deve ter aprontado alguma, a julgar pelo modo violento como a mamãe arrancou, talvez, à unha. O adesivo, papai saiu do vidro do carro para estar em maus lençóis. Será que papai foi infiel e foi “limado” da família. Será que foi um divórcio litigioso?. Restaria agora um lugar no coração da mamãe e no vidro do carro, para um novo papai, digo, um padrasto.  Como poderá ser representado um padrasto nessa nova configuração do adesivo família feliz?.  Existem padrastos bons e ruins, as crianças poderiam fazer essa representação de duas maneiras: Se o padrasto for bom, o novo desenho estilizado do pai é colocado sem legendas, normal, como antes, mas, se o padrasto for mau, talvez, eles devem colocar uma legenda: “padrasto a bordo”. Assim como as famílias têm problemas, os tipos de adesivo família feliz podem variar: família feliz; família quase feliz; família infeliz. Podemos pensar que ninguém vai querer expor os problemas familiares em adesivos, mas, no caso desse da foto do post, parece que o papai ou marido tem culpa no cartório, não seria exagero dizer que isso foi uma punição em forma de adesivo, se foi esse o caso. Para meio entendedor, a ausência da figura do papai no adesivo, basta. No Antigo Egito, uma das maiores afrontas que um faraó, sacerdote ou outra figura eminente podia sofrer, era ter seu nome ou representação  artística (representação da imagem) riscada ou apagada dos muros e construções. Não era só uma afronta pessoal, ou as primeiras manifestações da vandalismo, eles acreditavam que, ao riscar e apagar o nome deles das paredes e monumentos, eles seriam prejudicados na “outra vida” interrompendo todo o complexo processo que eles acreditavam existir depois da morte. O maior pesadelo, no caso dos faraós, sem dúvida, eram os ladrões de túmulos, tanto é que acessos falsos e labirintos eram construídos  com o objetivo de enganar os profanadores de túmulos. Um fato muito interessante, descoberto incompleto em ruínas, era que a representação das figuras eram esboçados nas paredes, depois, eram corrigidos, por algum artesão muito habilidoso em desenho, o que se pode chamar hoje de line art (contorno, tracejado), em seguida, colorizados, pintados. Isso há 5000 anos atrás, ou seja, eles já aplicavam o esboço, line art, colorização. Se alguém tivesse tido a ideia de representar a família feliz do faraó, pintando-a na biga, teria muito trabalho. O “adesivo” família feliz, de Ramsés II, por exemplo, constaria de 8 esposas, rainhas oficiais. Entre esposas "filiais" e concubinas, mais de 100, e do fruto da longevidade dele, 90 anos bem vividos, nasceram 200 filhos.