O Que os Olhos Veem e Onde Se Fixam


        Estas fotos, da MRC, demonstram o resultado do Eye Tracking, sensores captam os movimentos dos olhos, enquanto uma foto, imagem, anúncios, websites são mostrados para as pessoas. Esse monitoramente, rastreamento do movimento dos olhos, estuda como é a interação das pessoas com documentos, textos, imagens na web. São muitas metodologias e métricas, interpretações e leituras, claro, não é possível tratar delas num simples post, nem é apropriado, para os objetivos do meu blog, tratar o assunto tão técnica e detalhadamente. Como o resultado do Eye Tracking, há o Heatmap (mapa de pontos quentes). As áreas em vermelhos  são onde as fixações visuais são mais concentradas. Descobriu-se que homens e mulher reagem diferentemente quando veem o mesmo conteúdo na web, por exemplo, na primeira imagem, os homens se fixaram mais no rosto e corpo da mulher, enquanto as mulheres se fixaram, além disso, nas outras partes do anúncio. Ainda na primeira foto, as mulheres olharam mais para o torso, seios e abdômen, o que supõe uma comparação com os próprios corpos delas.Tentando descobrir se tem silicone, vendo a barriga de tanquinho ou se ela pode ter feito lipoaspiração, é uma leitura possível.  De acordo com o portal do Online Journalism Review , quando homens e  mulheres  veem a foto de uma pessoa num site, ambos olham para o rosto, porém os homens olham para as partes genitais, mesmo a foto sendo de um animal ou de uma extraterrestre.  O infográfico, no rodapé da primeira foto,  vai de menos atenção, para mais atenção, sendo a cor vermelha o indicador de onde a atenção teve o ponto mais alto. O padrão de atenção visual, quando os homens observam a imagem é o da esquerda, e o das mulheres é o da direita. A segunda imagem, a do shampoo Sunsilk, mostra como tudo muda, quando a modelo passa a olhar para o produto, um rosto lindo ajuda muito, mas para onde os olhos da modelo estão olhando, faz toda a diferença. O fato de a modelo olhar para o Shampoo fez o mapa de áreas quentes mudar completamente, o produto, o Shampoo, que é o que os publicitários queriam que aparecesse, teve atenção especial das fixações dos olhares, assim como o rosto da modelo, principalmente, os olhos,  e o título gritado (verbo no imperativo, compre, experimente, faça, desperte) que numa tradução livre poderia ser: “Desperte o vermelho em seus cabelos”. O modo como o internauta “varre” com os olhos uma página da web ou o conteúdo na internet é totalmente diferente de como o faz com a tradicional versão impressa em papel. O que certamente acontecerá, já deve estar acontecendo, é que o padrão em F seja aplicado na publicidade impressa, pelo menos uma tentativa de "enganar" os olhos dos internautas tornar o panfleto, flyer ou folder mais agradável. Nos Estados Unidos, a publicidade na web já superou a publicidade impressa. O famoso padrão em F de varredura dos olhos que o internauta usa, e as variações, já são bem conhecidos. Não basta, a partir do arquivo para a versão impressa, gerar outro arquivo para disponibilizar na internet, a versão on-line. O layout da versão on-line precisa se adequar ao Heatmap do Eye Tracking . Isso é de muito interesse para as áreas de publicidade, webdesigner, comunicação visual, etc. É bom lembrar que essa ferramenta sozinha não faz milagre, deve ser usada de forma complementar, mas saber as áreas “cegas”, sombreadas, onde a chance do conteúdo, foto ou anúncio ser menos vistos é uma informação de vital importância. Isso faz a experiência do internauta ser agradável, ao visitar nosso site ou blog, aumenta as chances de eles retornarem, a recorrência do visitante.  São poucos segundos para prender a atenção do visitante, se ele não achar o conteúdo que está buscando, rapidamente, ele simplesmente sai do blog. Testar nosso site ou blog com o aparelho de eye tracking, o qual fornece um scan path dos movimentos oculares e no blog ou site, para um grande número de voluntários seria, além de muito caro, seria inviável. Se você procurar no Google por “heatmap free”, aparecerão sites onde é possível conseguir uma análise gratuita do site ou blog, cruzando o conteúdo e layout com as áreas conhecidamente quentes do Heatmap, alguns oferecem uma versão Trial, para usar durante um tempo gratuitamente. O site no qual eu testei o heatmap do meu blog, gratuitamente, não existe mais.  O título da postagem também poderia ser: "O Que os Olhos Veem, O Heatmap Sente".