Libélula Tatuada e Pousada No Pé

        Dentre os vários significados que a libélula tem, a leveza e a elegância se destacam, também chamada de lavandeira; lavadeira; cavalo-de-judeu; libelinha; donzelinha; jacina; zigue-zague. Há várias possibilidades de interpretação. Quem irá tatuá-la em alguma parte do corpo, pode tanto se identificar com uma delas como com a combinação dos significados. Liberdade selvagem, fertilidade, criatividade, representado o lado criativo, renascimento, transformação, mudança, superação, metamorfose (devido ao ciclo da libélula). Há também a associação com fadas, basta lembrar-se da Sininho. A simbologia da libélula varia culturalmente, mas sempre representando algo positivo, desde que interpretada pelo ponto de vista humano. Se os insetos pudessem expôr o ponto de vista deles, a história seria outra. No Japão, a libélula representa novas alegrias, luz, sorte, pureza, harmonia, felicidade, força, coragem. Noutras culturas, recomeço, felicidade, triunfo, vitória, dar a volta por cima, riqueza, prosperidade financeira. Assim que os ovos eclodem, inicia-se o ciclo de ninfa da larva, esse estágio aquático da ninfa pode durar 4 anos ou mais, ela vive na água e não tem asas, nem mesmo se ela tomarar Red Bull. Nesse tempo, ela se alimenta de tudo que encontra.  Depois que o ciclo de ninfa está completo, ela passará por uma metamorfose, para isso, ela sai da água, arrasta-se, sobe pelo caule de uma planta, onde ela gruda o exoesqueleto, fica ali quieta, imóvel, sem se alimentar. Não é uma metamorfose ambulante, embora ela tenha se locomovido até ali, para tudo acontecer, mas, durante a metamorfose silenciosa, fica quieta, então, ela sai como uma nova opinião formada sobre tudo, deixando o antigo corpo, a exúvia, para trás. Depois, ela faz uma pequena pausa, para se secar, em seguida, ela tem que fazer uma turnê meteórica existencial pela breve vida, de 2 meses, alimentar-se, encontrar uma parceira, dar continuidade ao clico. Se as libélulas fizessem uma tatuagem nelas, seria em latim: Carpe diem (aproveite o dia). Assim como as borboletas e beija-flores, a tatuagem da libélula é das preferidas das mulheres, ficam ótimas em tamanhos grandes e pequenos, em estilos diferentes (velha escola, fotorrealismo, tribal, oriental, etc). Se alguém resolver tatuar uma libélula de 70 cm de envergadura, saiba que uma libélula desse tamanho realmente existiu, entre 360 milhões e 286 milhões de anos, era a Meganeura monyi. Por tudo que foi escrito, as libélulas têm uma ótima reputação, pelo menos, do ponto de vista da nossa espécie, por esse motivo, ninguém tatuará o mosquito da dengue no corpo, bom, é melhor nunca escrever nunca... Será que seria viável usar as libélulas para combater os mosquitos da dengue, já que as ninfas devoram larvas de outros mosquitos, devoram até girinos. Elas poderiam devorar as larvas da dengue. Uma vacina contra a dengue, que está sendo desenvolvida no Brasil, deverá ser mais eficiente que um ataque “ninfolibélico” ou "ninfobélico" das libélulas, mas o Aedes Aegypti tornou-se agente transmissor de *outra doença que é recente no Brasil: a febre chikungunya. Nome estranho de se falar ou escrever, apesar de já haver a versão aportuguesada: chicungunha. Os Estados Unidos desenvolveram uma vacina experimental eficaz contra a chikungunya. Depois de 11 meses de terem tomado a vacina, nos EUA, os 25 adultos saudáveis já eram protegidos por anticorpos suficientes. É muito melhor prevenir do que remediar, nesse caso, melhor vacinar do que internar, mais econômico para os governos, menos sofrimento para a população, porém o foco desse post não é a dengue, mas a libélula. Eu lembro de ter visto libélulas nas águas limpas de um campo de futebol, sem grama, eu pensava que elas estavam se refrescando, mas, pelo que sei agora, elas estavam botando ovos, inclusive, um dos nomes populares da libélula é: lava-bunda. As libélulas, desde ninfas, são caçadoras mortíferas e carnívoras, com uma alta porcentagem de eficiência, com certa de 95% de sucesso em perseguir e capturar uma presa, mesmo se a presa estiver no meio de um enxame, ela é capturada e esmagada. "Libélula Mortífera" seria um filme que os insetos teriam medo de assistir, não seria um filme de ação ou policial, mas um verdadeiro terror. As libélulas forçam o acasalamento, não há nenhum ritual de acasalamento, elas não são românticas como os grilos, que fazem serenata. Não que o mito da singela e carismática libélula tenha sido destruído, mas ele é uma visão romanceada humana, que cobre a libélula de qualidades auspiciosas (animador, prometedor). Apesar disso, ela é conhecida por dois nomes curiosos: cavalinho-do-diabo; cavalo-do-cão. Mesmo alguém que estava pensando em tatuar uma libélula, tenha mudado de ideia e escolhido um beija-flor ou borboleta, pode pensar naquele meme: "Como vemos as libélulas (a simbologia delas através da cultura e do tempo), e como elas realmente são". O que houve com essa libélula da foto?. Ela resolveu passar os dois meses de vida na praia. Ela pousou no pé da mulher, quase se em total simetria com a tatuagem. Apesar da libélula ser uma tatuagem feminina, houve uma comédia, na verdade, uma sátira descarada ao herói Homem-Aranha. No filme: Super-Herói - O Filme, o "herói", chamado de Homem-Libélula, tenta usar os superpoderes, mas nunca consegue ajudar ninguém. A libélula pode ser ótima, tatuada nas partes do corpo da mulher, mas um fracasso, quando estilizada no uniforme do Homem-Libélula. Alguns nomes nomes jamais decolarão: Homem-Borboleta; Homem-Mariposa; Homem-Beija-Flor; Homem-Piolho; Homem-Chato; Homem-Joaninha. Parece que o filme do Homem-Formiga não vai bombar. A ideia de artrópodes e insetos radioativos picando ou mordendo humanos, dando-lhes superpoderes fez até surgir o Homem-Grilo. Os chineses costumavam ter grilos de estimação e não ficavam grilados. No Brasil, ainda existem as terras griladas, mas não vimos ainda terras "libeluladas". Se um grilo "grilasse" as terras de uma libélula, ela faria uma acusação documentada contra o grilo. Um libelo da libélula contra a grilagem, mas foram os humanos que colocaram os coitados dos grilos nessa posse ilícita de terras alheias.


*Descobriu-se que o mosquito da dengue transmite o vírus Zika. Há cerca de 500 casos na Bahia.

* Em São Paulo, a cidade de Piracicaba torna-se a primeira cidade na qual é testada a técnica do Aedes Aegypti transgênico (Aedes do Bem). Segundo Guilherme Trivelatto, responsável pela supervisão de produção da empresa Oxitec do Brasil, o mosquito geneticamente modificado não pica nem transmite a doença, não é tóxico, morre entre 2 e 4 dias. As crias morrerão na fase de larvas, sem nunca atingir a fase adulta.