O Homem Dormente

       Enquanto alguns optam por viver perigosamente e pagam o preço, outros escolhem dormir perigosamente. O trilho do trem não é apenas o travesseiro, o homem deve estar confiando que ouvirá a vibração do trem se propagando pelos trilhos, quando estiver a certa distância. Um “truque” que foi muito mostrando nos filmes americanos, quando os índios colocavam um dos ouvidos no trilho do trem, para saber se o trem estava chegando. Para quem tem medo de "perder" a estação que vai descer, com aquela cochilada arrebatadora, imagine que ele pode literalmente morrer, se não perceber o trem chegando. Espreguiçar e bocejar, antes de levantar, pode ser a diferença entre viver ou morrer. Se ele for um trabalhador ferroviário, deve ser muito estimado entre os amigos, confiando que alguns deles o avisaram, quando o trem estiver chegando. Se for na hora do almoço, que lugar melhor e seguro para faze a cesta do que se deitar na linha do trem. Se essa história terminou mal, muitos se perguntarão por que ele não fez um travesseiro com as pedras e deitou fora da linha do trem, evitando esse exibicionismo.  O mais provável é que o trecho da linha tenha sido interditado para manutenção, se ele estiver cochilando de verdade ou foi apenas um falso cochilo para tirar a foto. Desafiar a morte é extremamente perigoso, dormindo, ainda mais. O homem dormente está na mesma posição dos dormentes dos trilhos, aquelas madeiras, vigas, colocadas transversalmente. Para o bem da natureza, já existe um substituto da madeira na fabricação dos dormentes. Existe uma excelente ideia que está sendo implementada, a substituição dos dormentes de madeira pelos dormentes poliméricos, a chamada “madeira plástica”, que é feita da reciclagem de garrafas pets, pneus velhos, entre outros materiais. De acordo com o infográfico da fábrica Wisewood, instalada em Itatiba (SP), pioneira na produção de dormentes poliméricos, a cada 1 km de linha férrea utilizando os dormentes de plásticos, 750 árvores deixam de ser derrubadas e 158 toneladas de resíduos plásticos são reciclados.  As vantagens são várias, ainda, segundo o infográfico da empresa: possui vida útil de 30 anos ou mais; reduz o custo de manutenção da via férrea; é totalmente reciclado e reciclável; etc. Quando íamos imaginar que tal como o Ferrorama, miniatura de trem feita de plástico, que tinha os trilhos e dormentes de plástico, os trens e metrôs de verdade teriam os dormentes de plástico, ainda mais impressionante é o Trem Bala japonês, que levita sobre os trilhos. Apesar da diferença de escala entre o Playmobil e o Ferrorama, o Playmobil podia andar de Ferrorama, claro, como pingente, em cima do trem, sem riscos, afinal, como diz a música dos Titãs: “As flores de plástico não morrem”, o Playmobil também não.