Dirigir Bêbado Acaba Aqui

        Essa é uma campanha de conscientização dos riscos de se guiar um veículo estando embriagado, para usar o português claro: motorista bêbado ao volante. Infelizmente, eu não consegui descobrir a origem, tudo que sei é que é de língua inglesa, por isso precisei traduzi-la. Essa foi uma das várias possibilidades da tradução livre, poderia ser também: álcool e direção: bêbado dirigindo. Na maioria das vezes, é difícil descobrir quem foi o “postador zero” da foto, aproveitando um termo da infectologia adaptado: paciente zero. Do mesmo modo, é complicado, ainda usando a infectologia, explicar como as fotos ou imagens tornam-se virais. O que eu achei interessante, nessa campanha, foi a intervenção urbana, as marcas de pneus no asfalto e calçada que apontam para a mensagem de luto no muro. Apesar de a campanha ser boa, ela poderia ser melhor, ao invés do retângulo preto, uma forma de lápide de cemitério. Outro detalhe fundamental que faltou, não só a vida do condutor bêbado termina no muro, mas a vida dos inocentes pedestres sóbrios que estiverem passando na calçada no momento da tragédia. O motorista bêbado conta com o cinto de segurança e, em alguns modelos, airbag. O pobre pedestre que é atropelado na calçada não tem proteção alguma. As vítimas pedestres atropeladas nas calçadas, quando não morrem, sofrem mutilações e amputações que a marcarão pelo resto da vida. Não se pode esquecer que pedestres bêbados podem causar acidentes, atravessando fora da faixa de pedestre ou tentando atravessar rodovias com os reflexos comprometidos pelo álcool. Para essa campanha de conscientização no trânsito ficar completa, silhuetas ou contornos de corpos, em cor vermelha, deveriam ter sido pintados no meio das marcas de pneus, determinando o instante do atropelamento ou os corpos no chão, que é o resultado trágico do atropelamento. Teria sido mais impactante, pois não só a vida do motorista bêbado termina  no muro ou poste, a vida do pedestre também. Embora o público alvo tenha sido os motoristas, tanto os sóbrios quanto os bêbados, se esse detalhe dos corpos pintados tivesse sido incorporado à campanha, lembraria ao motorista bêbado  de que além da própria vida dele estar em risco, vítimas inocentes que andam pelas calçadas podem ser atropeladas e mortas por ele. O mais trágico, a vida de um pedestre pode acabar nesse muro, imprensado ou atropelado, enquanto o motorista pode sair com machucados leves ou mesmo ileso dessa tragédia. De qualquer forma, essa campanha de conscientização em forma de intervenção urbana é interessante e inteligente, poderia ser melhorada, na minha opinião, com a adição das melhorias que citei acima. Desde as pinturas rupestres de cavalos e bisões, da era paleolítica, nas cavernas de Altamira, norte da Espanha, cerca de 35.000 e 11.000 a.C., até essa campanha de conscientização no trânsito, nossa espécie é extremante visual,  somos suscetíveis a mensagens visuais, a comunicação visual sempre será eficiente, como prova o casal que está olhando atentamente para a mensagem pintada no muro. Um pedestre desatento que esteja passando, notará as marcas de pneus na calçada e olhará onde elas  terminam. Talvez você pense: “Bom, a maioria dos pedestres são motoristas também, logo a mensagem será assimilada facilmente”. O problema é que existem pedestres que se transformam totalmente atrás do volante, como o médico e o monstro, aliás, muito bem retratado no desenho da Disney: "Pateta Motorista".  Nem todo pedestre é motorista, basta lembrar que só a partir de determinada idade se pode tirar a carteira de motorista ou como se diz popularmente em São Paulo: “tirar a carta de motorista”. Existe um projeto de lei para que adolescentes de 16 anos possam tirar carteira de motorista, ele esta sendo analisado pela Comissão de Direitos Humanos. Caso seja aprovado pelo Senado, ainda será votado na Câmara dos Deputados. Enquanto isso, no Espírito Santo, está sendo imposto um toque de recolher a menores de 16 anos. Isso tem causado muita polêmica, por ferir o direito constitucional de ir e vir. A Prefeitura de Guarapari já protocolou um pedido de inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça. Torço para que o sagrado direito de ir e vir seja garantido.  Ao mesmo tempo, se o adolescente de 16 anos puder guiar um carro, deverá poder ser responsabilizado pelos crimes que vier a cometer ao volante, então, só faz sentido ele poder ser condutor de veículos, se a redução da maioridade penal para 16 anos também for aprovada. Para encerrar esse post, uma ótima notícia: O projeto que aumenta a punição ao motorista que matar em racha foi aprovado.